MARIANGELA BARRETO-
POESIAS E DELIRIOS
CapaCapa TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Não, não me importa
 se balbucio   poesia
assim sozinha num parto solitario
não me importa, pois a natureza  age
o vento ruge, a madrugada chega
depois surge o sol, o vento acalma
o feto rompe e minha poesia nasce.
Não, não me importa
não pedirei benção
não choro a solidão
valho-me de mim
meu coração me basta
minha intenção é forte
meu caminho eu trilho
ilumino cada passo 
com riso, amor
e brilho...renasço.
 
Mariangela Barreto
Enviado por Mariangela Barreto em 15/11/2016
Alterado em 15/11/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.